assessoria de
  comunicação

29/5/2015
 UESB recebe 4ª Conferência dos Direitos da Pessoa Idosa
por Emanuela Lisboa


Para debater políticas de proteção e respeito aos idosos, foi realizada durante toda esta sexta, 29, no auditório do Centro de Aperfeiçoamento Profissional da Uesb, campus de Vitória da Conquista, a 4ª Conferência Territorial dos Direitos da Pessoa Idosa. O evento faz parte da programação nacional sobre o assunto, e foi promovido pelo Governo do Estado e pela Prefeitura Municipal, com apoio da Universidade e do Serviço Social do Comércio (Sesc).

Com o tema “Protagonismo e Empoderamento da Pessoa Idosa: Por um Brasil de todas as idades”, o momento foi uma oportunidade para avaliar e debater com os idosos, autoridades e demais interessados questões, como: ações e espaços voltados a esse público e a gestão das políticas de garantia dos seus direitos. Carlos Moreno, vice-presidente do Conselho Municipal do Idoso, falou sobre a importância das discussões. “O que essa conferência busca para o idoso é que ele assuma o poder real que ele possui, que ele assuma o direito de lutar pelas suas melhorias, pela dignidade. Que ele provoque um pouco mais as três esferas do poder público, federal, estadual e municipal, e as instâncias afins para que nesse conjunto de ações eles possam viver com mais dignidade”, explicou.

“Eu acho interessante que se participe mesmo porque como idosos nós temos que estar presentes nesses eventos que vão nos beneficiar e nós também vamos dar a nossa opinião, dizer aquilo que nós achamos interessante e o que não é interessante. Certamente vai ser discutido o Estatuto do Idoso e nós precisamos estar por dentro das leis que nos protegem, pelo menos em lei porque na realidade não tem muita proteção, mas a lei é muito bonita. Se a gente souber como deve proceder, pode cobrar os direitos que nós temos”, ressaltou dona Semírames Silva Lancerda, de 73 anos, sobre a participação na Conferência.

Ainda sobre essa distorção entre teoria e prática, acrescentou Moreno: “costumamos sempre debater sobre essas questões no Conselho, até porque várias políticas de proteção, de empoderamento de outras instâncias, funcionam e às vezes não funciona para o idoso. A gente procura sempre discutir essa temática baseada em que o jovem de hoje é o idoso de amanhã, então tem que se investir muito nisso. Essa reflexão é que está sendo trazida também para esse campo de discussão. Vale à pena refletir porque idoso precisa de respeito, de atendimento especial, tratamento especial, até porque é o destino de todos nós”.

Convidados para compor as atividades da Conferência, os membros do projeto Vida Ativa cantaram e dançaram. “A gente entende como um espaço político de estar expondo as nossas angústias, necessidades. É um espaço também de trazer os projetos que existem, dar visibilidade, incentivar esses projetos como uma forma de trazer mais ações dessa natureza pra nossa sociedade. É basicamente um momento de encontro para uma reflexão mais profunda sobre as políticas públicas de atenção à pessoa idosa do Brasil e fazer uma análise crítica de como nós estamos vivendo nessa questão da saúde, educação, e de outras áreas que são também necessárias como a cultura, que ainda existem muitas lacunas que a gente precisa estar buscando preencher“, salientou a coordenadora do Vida Ativa, Virgínia Coronago.

As propostas resultantes dos debates serão encaminhadas pelos delegados à etapa estadual, que também enviará sugestões e representações ao evento nacional.



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão