assessoria de
  comunicação

22/3/2017
 Projeto sustentável ajuda na melhoria do agronegócio local
por Valcelene Amorim


O compromisso com a sustentabilidade ambiental é um das preocupações da Uesb. Por meio dos projetos de pesquisa e extensão, a Universidade tem auxiliado os produtores da região a produzirem de forma ecológica, econômica e financeiramente viável.

É sob essa perspectiva que, desde 2014, a Uesb participa do projeto “Aplicação dos Princípios de Ecologia Industrial e Produção mais Limpa em Cadeias Agroindustriais do Sudoeste e Sul da Bahia”, no campus de Itapetinga. A ação faz parte do programa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb) e da Secretaria de Meio Ambiente, e tem como objetivo apoiar a formação e articulação de Redes de Pesquisa Ambiental no Estado da Bahia. A rede baiana é composta, além da Uesb, pela Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), Universidade Federal da Bahia (Ufba) e pelo Instituto Federal de Educação e Ciência e Tecnologia da Bahia (Ifba).

“Todos os nossos trabalhos tem foco na agroindústria. A gente vai até as agroindústrias da região, fazendas, laticínios, enfim, que tenha relação com a produção agroindustrial, e procede dessa forma, com avaliação, inventariar o processo e gerar esse relatório de impactos. No final, comunicamos ao empresário local que nos favoreceu acesso à empresa ou fazenda os pontos que são possíveis de melhoria”, relata o professor Luciano Brito Rodrigues, um dos coordenadores do projeto.

Segundo Rodrigues, as pesquisas desenvolvidas no mestrado e doutorado, orientadas por ele, estão vinculadas ao projeto e já começam a dar resultados. Um exemplo disso é a dissertação de mestrado desenvolvida por Edmar Costa Alves, que trabalhou com o tema “Impactos Ambientais de produtos Lácteos bubalinos”, na empresa de laticínio Cabana da Ponte, localizada no município de Itororó, que produz queijo mussarela de leite orgânico de búfala. Após o diagnostico dos pontos mais críticos da produção, no sentido de desperdício de recursos como água, energia e matéria-prima, foi realizado um seminário e um manual para ser avaliado pelos proprietários.

Para Laíse Teles, engenheira de alimentos do laticínio, o projeto contribuiu para o melhoramento da empresa, principalmente no que diz respeito à redução do desperdício. “A apresentação do seminário foi de suma importância, pois nos alertou para algo que não era prioridade, mas que faz toda a diferença no processo diário de produção, como, por exemplo, o consumo elevado de água, o gasto excessivo de energia decorrente das câmaras frias, os resíduos gerados na caldeira, entre outros”, avalia Teles.

Ainda de acordo com Teles, essa relação da Universidade com as empresas agroindustriais locais é muito relevante para o melhor desempenho das mesmas. “Essa interação da Universidade com os produtores tem se estreitado cada vez mais, sendo fundamental para a melhoria da qualidade das atividades práticas desenvolvidas diariamente nas indústrias aliadas ao auxílio teórico excepcional dos universitários”, salienta.

Rodrigues afirma que essa é a real intenção do projeto: contribuir com as empresas da região. “O projeto visa promover a melhoria dos processos de pequenos e médios produtores, que tem menos facilidade de acesso a essas tecnologias, que geralmente são dimensionadas para grandes indústrias, um negocio de milhões, de altos volumes. Uma indústria pequena não tem essa possibilidade”, ressalta.



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão