assessoria de
  comunicação

30/3/2017
 Relação trabalho e educação é tema de palestra do Lhist
por Queila Chaves


Na tarde desta quinta-feira, 30, o Laboratório de História Social do Trabalho (Lhist) promoveu a primeira palestra do ciclo de seminários previstos para 2017. Com o tema “A relação trabalho e educação na pedagogia histórico-crítica: apontamentos sobre o ato educativo”, o professor Carlos Eduardo Felix dos Santos, do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas (DFCH) e docente do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade, prendeu a atenção dos alunos de História e Pedagogia.

O professor iniciou o tema diferenciando a teoria da educação da teoria pedagógica. “A primeira trata das teorias mais gerais do ensino, já na teoria pedagógica fazemos um acréscimo às questões do educar, entrando no problema do conteúdo-forma. A pedagogia histórico-crítica é uma teoria de caráter materialista-histórico, portanto, para abordar os processos educativos, partimos da forma como o homem produz sua existência, que é mediado pelo trabalho”, afirmou o palestrante.

Para Félix, o professor precisa entender a realidade dos alunos sem limitar a sua ação por conta dela: “Para a pedagogia histórico-crítica, temos que formar o ser humano independente de onde ele esteja”.

O estudante do 7º semestre de História, José Pedro, falou da importância de debater a didática dentro de seu curso. “Achei a palestra interessante. Eu gosto quando tratam tanto de História, mas especificamente das áreas de Didática, Metodologia. É relevante porque o curso daqui é de licenciatura. A palestra conseguiu inclusive complementar os estudos que tive nas aulas de Didática Geral”, comentou o discente.

Segundo o professor Adilson Amorim, responsável pelo ciclo de palestras do Lhist, os seminários já são realizados há nove anos. “Eles têm o objetivo justamente de permitir que outras temáticas relacionadas ao nosso tema central possam também ser discutidas por pesquisadores de outras áreas de conhecimento e de externalizar parte da pesquisa que são desenvolvidas por nossos alunos-bolsistas”, declarou Amorim.



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão