assessoria de
  comunicação

3/4/2017
 UESB sediou 1º Encontro de Contadores de História
por Wellington Nery


A Uesb recebeu no último sábado, 1º de abril, o 1º Encontro de Contadores de História, no campus de Jequié. O evento é fruto do projeto 3ª edição da Festa Literária Internacional do Sertão de Jequié (Felisquié) 2017, que vai acontecer na cidade de 2 a 4 de junho.

Segundo o professor Domingos Ailton Ribeiro de Carvalho, do Departamento de Ciências Humanas e Letras (DCHL) e curador da Felisquié, o 1º Encontro de Contadores de História tem grande relevância. “É um encontro no qual reunimos especialistas em contação de histórias, de Salvador e do Recôncavo Baiano, que têm uma experiência muito grande em contação de histórias, e mostra a diversidade da contação de histórias. Tivemos desde os contos tradicionais europeus até os contos africanos, que poucos conhecem, os contos indígenas, contos populares brasileiros e também trabalha em uma perspectiva da metodologia sobre como o professor poderá trabalhá-la em sala de aula”, afirmou Carvalho, que entende a Universidade também como um espaço para realização de eventos dessa natureza. “A universidade é um centro de saber, então precisa também incorporar o saber popular, e as narrativas orais representam esse saber popular”, completou.

Acadêmico do curso de Licenciatura em Letras da Uesb, Marlon Brito entende ser esse evento muito importante para sua formação. “É muito importante porque nós acabamos conhecendo novas culturas, novos ensinamentos. Ajuda na nossa compreensão sobre a cultura de outros povos, a sua maneira de viver, nós aprendemos muito através das histórias aqui contadas”, relatou.

Quem também confirma essa importância é acadêmica do curso de Pedagogia da Plataforma, Luzineia Machado Moreira. Para ela, poder participar do Encontro é gratificante. “Acabamos dquirindo conhecimentos diferentes sobre os contos e, principalmente, sobre a África, pois é algo que nós temos outra noção. Nesse ponto, é bom abrir a mente, haja vista que as pessoas têm muito preconceito quando falam alguma coisa da África, sobre algum ritmo ou dança”, ressaltou Moreira.



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão