assessoria de
  comunicação

18/5/2017
 Curso de Jornalismo debate cidade e preservação cultural
por Queila Chaves


Geralmente se pensa que discutir cidade e patrimônio cultural é papel de arquitetos, engenheiros, geógrafos, historiadores, mas cabe também aos jornalistas exercer a sua profissão com olhar crítico voltado para a cidade, para as suas transformações e necessidades de preservação do patrimônio cultural.

Para preparar os estudantes do curso de Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, é que há quatro anos é desenvolvido o Projeto de Pesquisa e Extensão Jornalismo, Cidade e Patrimônio Cultural. Na manhã desta quarta-feira, 17, com o apoio do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural do Estado da Bahia (Ipac), uma nova etapa do projeto foi realizada: o 1º Seminário Jornalismo, Cidade e Patrimônio Cultural.

O evento aconteceu no Memorial Governador Régis Pacheco, na Praça Tancredo Neves, Centro de Vitória da Conquista, com a apresentação do vídeo “Casas e Memórias: Pequeno Inventário de Edificações e Narrativas”, em que 21 casas de estilos diversos são mostradas, assim como a narrativa de antigos moradores de algumas dessas casas, que lembram suas vivências, compondo assim uma memória sobre a própria cidade.

O professor Roberto Oliveira, da Uesb, também falou sobre a conservação do patrimônio histórico, além das falas dos secretários municipais de Comunicação e Cultura, respectivamente, André Ferraro e Tina Rocha, do representante do Conselho de Arquitetura e Urbanismo da Bahia (CAU/BA), Maurício Munhoz, e do inspetor do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea), Alexandre Pedral Sampaio.

O Projeto Jornalismo, Cidade e Patrimônio Cultural é coordenado pela professora Mary Weinstein, vinculada ao Departamento de Filosofia e Ciências Humanas (DFCH), campus de Vitória da Conquista. “Com este projeto, queremos que a cidade debata, que a comunidade se conscientize de um acervo que pode ser destruído por conta da especulação imobiliária. O acervo de Vitória da Conquista é lindo, único, muitas cidades não têm mais, então é digno de preservação”, declarou.

“Quero parabenizar a organização do seminário por esta iniciativa, é um trabalho belíssimo. Quando foi pedido o apoio da nossa secretaria, eu não tive dúvidas, porque temos o maior interesse na preservação e no resgate desses valores que a cidade tem, não podemos deixar escapar essa patrimônio material”, afirmou a secretária municipal de Cultura, Tina Rocha. 

A estudante do 4º semestre de Comunicação Social, Viviane Lima, está no projeto desde que entrou no curso. “Eu tinha um certo gosto pelo assunto, mas mudei meu olhar a partir dele, quando tive o contato direto, me interessei mais. Vi que era necessário preservar a memória de uma cidade, a história de um povo, porque só conseguimos falar de futuro quando temos um passado”, contou a discente.

A jornalista e coordenadora de Comunicação da Prefeitura de Vitória da Conquista, Lu Macário, elogiou o material audiovisual apresentado: “Parabenizo a professora e os alunos por este trabalho fantástico. É necessário realmente trazer os elementos audiovisuais na busca da preservação cultural que é importante para uma cidade.”



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão