assessoria de
  comunicação

8/6/2017
 Vacinação contra gripe é realizada em Itapetinga
por Valcelene Amorim


A aproximação do inverno aumenta a preocupação com a propagação do vírus da gripe, pois a estação mais fria do ano facilita a circulação do mesmo. Pensando nisso, a Uesb, campus Juvino Oliveira, aderiu à campanha nacional de imunização contra a gripe e promoveu na última terça, 7, por meio da Coordenação de Recursos Humanos (CRH), do Núcleo de Saúde e Bem-Estar (Nusbe) e do Serviço Social, em conjunto com a Secretária Municipal de Saúde de Itapetinga, a vacinação dos funcionários e alunos da Universidade.

 “A gente tenta sempre buscar o melhor para a nossa comunidade acadêmica, e a questão da gripe é muito forte aqui em Itapetinga, por causa da mudança de tempo e, por conta disso, têm muitos funcionários adoecendo com frequência. Então, termos conseguido essa parceria foi muito importante para que os servidores possam estar imunizados”, explicou Jolucia Santos de Jesus, da Coordenação de Recursos Humanos, campus de Itapetinga.

Para Arthur Pacheco, funcionário do colegiado de Pedagogia, a possibilidade de tomar a vacina nas dependências do campus simplificou sua vida. “Eu achei superinteressante, até porque já precisava tomar essa vacina e não tinha disponibilidade de tempo para ir tomar”, salientou.

Quem também aprovou a iniciativa foi Maria de Fátima de Andrade Ferreira, professora do departamento de Ciências Humanas e Educação e Linguagem (Dchel). “Se não tivesse essa intenção e trabalho aqui na Universidade eu não teria tomado, porque sou muito medrosa. Tomei agora inclusive, porque fui incentivada pelos colegas que também tomaram. Foi muito importante porque é uma questão de saúde pública, de atenção às pessoas que trabalham em um ambiente em que você tem contato com todo tipo de situações e podemos eventualmente ficar vulneráveis a ser acometidos pela gripe”, destacou.

Eliene Oliveira Santos, agente da vigilância epidemiológica ressaltou a importância de todos se imunizarem contra a influenza. “Se todas as pessoas estiverem imunizadas o vírus não vai circular tanto e não vai atingir pessoas que estão imunodeprimidas. Então, seria importante que todos estivessem vacinados para que o vírus não apresentasse uma circulação tão grande. E também é importante que as pessoas repassem a conscientização para seus familiares, de que é preciso todos estar imunes”.

 



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão