assessoria de
  comunicação

13/9/2017
  5º Seminário do Pibid: formação, pesquisa e prática docente
por Emanuela Lisboa


Está sendo realizado, no campus de Vitória da Conquista, o 5º Seminário Institucional do Pibid Uesb, Programa Institucional de Iniciação à Docência. Com o tema “Formação, Pesquisa e Prática Docentes”, o evento, que começou nessa terça, 12, no Teatro Glauber Rocha, objetiva avaliar o Programa e os seus subprojetos nos três campi. Neste encontro, participam bolsistas e professores de Conquista e de Itapetinga. Em Jequié, o Seminário acontecerá em outubro. Ao todo integram o Programa 770 bolsistas.

Financiado pela Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), o Pibid é um programa nacional que visa incentivar a formação qualificada de professores para atuarem na educação básica; além de contribuir com a qualidade das ações acadêmicas voltadas à formação inicial de professores e com a melhoria da aprendizagem dos estudantes da rede pública de ensino.

A coordenadora institucional do Pibid Uesb, professora Daisi Teresinha Chapani, explica a importância desse momento, visto que o Seminário tem a proposta de avaliar as atividades realizadas pelo Programa durante os últimos quatro anos de vigência do edital Pibid na Instituição. “É importante porque a gente tem uma série de metas e precisa saber se essas metas estão sendo atingidas, se os objetivos estão sendo alcançados, quais os problemas que a gente vem enfrentando e também aquilo que vem excedendo porque, às vezes, a gente coloca como objetivo uma coisa, mas depois descobre que fez muito mais. É também um momento de dar visibilidade ao projeto e de mostrar para toda a comunidade quanto esse projeto é importante, para que as pessoas se unam e não deixem esse programa acabar”. Chapani também falou sobre a parceria com as escolas da região: “Há bastante tempo a gente vem dizendo que não tem mais sentido a universidade formar e depois as pessoas irem para a escola, porque a realidade é bastante diferente daquela que a gente discute. Então, essa parceria, esse estreitamento, é fundamental. Esse também é um dos aspectos mais inovadores do Pibid, que é propiciar essa aproximação entre a universidade e a escola. É uma via de mão dupla, tanto a gente pode colaborar com a formação dos professores, a formação continuada, quanto a escola pode nos ajudar a formar de maneira mais consistente os nossos licenciandos”.

“Hoje, no campo da pesquisa sobre formação de professores, existe um consenso de que a universidade sozinha não é capaz de formar futuros professores. Nós precisamos dos nossos colegas da educação básica para cumprir e, cumprir bem, a tarefa de formar novos professores”, ressaltou o professor Júlio Emílio Diniz (foto 2), da Universidade Federal de Minas Gerais, convidado para realizar a conferência de abertura. Segundo Diniz, que é pesquisador da área de formação de professores, o Pibid inova ao conceber os docentes da rede básica como coformadores. “Os professores da educação básica são vistos, pelo menos enfaticamente no Pibid, como coformadores de futuros professores. Isso é algo muito importante porque a universidade precisa procurar as escolas e tentar estabelecer parcerias para essa tarefa tão complexa, mas tão nobre, de formar futuros professores da educação básica. A gente espera que essas parcerias também sejam horizontalizadas, que não exista uma hierarquia entre universidades e escolas nessa tarefa de formar novos professores”.

De acordo com a pró-reitora de Graduação da Uesb, professora Talamira Taita Rodrigues Brito, o Pibid criou um ambiente para se pensar e refletir criticamente a relação da universidade com a comunidade, com a educação básica, e também a oportunidade de a educação básica refletir sobre o ensino superior. “Esse momento é um coroamento do trabalho de professores das licenciaturas que estão envolvidas no projeto, dos professores da educação básica que são os nossos supervisores, que a gente chama também de coformador. É um momento ímpar, que eu espero ser muito produtivo e que a gente consiga fazer boas reflexões na expectativa de que o projeto continue sendo financiado pelo governo federal”, ressaltou Brito.

Para o reitor da Uesb, professor Paulo Roberto Pinto Santos, o Pibid é um programa que permite ao discente uma vivência importante nas escolas, sendo fundamental para a sua formação e para a melhoria do ensino básico no Estado. “Por isso, a nossa defesa intransigente pela permanência do apoio federal e um compromisso com esse grande programa que é o Pibid. Eu tenho buscado junto à Abruem, Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais, em conjunto com os outros reitores, defender o compromisso do governo federal com esse programa, visto a importância que tem não só para a Universidade como para a educação brasileira”, destacou.

Estudante do oitavo semestre de Licenciatura em Ciências Biológicas, campus de Itapetinga, Ianara Trindade veio apresentar trabalho e relatou sobre a sua experiência no Programa. “O Pibid realmente mudou minha vida porque se eu comparar minha vida acadêmica com a de alguns colegas que não têm a experiência do Pibid, é notória a diferença, tanto curricular quanto de formação porque só o estágio supervisionado é muito pouco tempo pra gente ter toda essa formação e vivência em sala de aula. O Pibid dá todo esse aparato, traz uma experiência muito maior pra gente”.

O Seminário do Pibid segue durante esta quarta, 13. Apresentação de trabalhos, conferências, mesas-redondas, exposições e atividades culturais compõem a programação. Para obter mais informações, acesse o site do evento ou entre em contato com o Pibid por meio dos telefones (77) 3424-8768, em Conquista; e (77) 3261-8673, em Itapetinga.

 



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão