assessoria de
  comunicação

22/9/2017
 8º Simpósio sobre Alzheimer acontece em Jequié
por Carlos Santos


Começou nessa quinta, 21, no campus de Jequié, o 8º Simpósio sobre a doença de Alzheimer: possibilidades de cuidado ao idoso e cuidador. Estiveram presentes na solenidade de abertura a coordenadora geral do evento, professora Edith Lago da Silva Sena; a representante da Associação de Amigos, Grupos de Convivência e Universidade Aberta com a Terceira Idade, Eloísa Brito Aragão; a cuidadora Nilda Souza Exaltação e demais autoridades da Saúde municipal e estadual.

A professora Edith parabenizou a todos que colaboraram direta e indiretamente para a realização da oitava edição do evento e fez uma homenagem especial pelos dez anos do Grupo de Ajuda Mútua (Gam), composto por cuidadores e cuidadoras de pessoas que possuem a doença de Alzheimer. Em seguida, proferiu uma palestra com enfoque em Intersubjetividade do cuidado idoso-cuidador. “Contextualizando nosso eixo ​temático, podemos dizer que a interatividade é a relação entre os sujeitos, ou seja, o relacionamento entre os seres humanos, e isso é importante tanto no diagnóstico quanto no tratamento da doença entre o cuidador e o idoso. A ideia da intersubjetividade é continuar valorizando o sujeito com Alzheimer enquanto ele viver e onde ele estiver”, salientou Lago.

De acordo a organização de inscritos, só ​no primeiro dia o evento já contabilizava cerca de quatrocentos participantes, entre estudantes de cursos de graduação e pós-graduação, grupos e associações que militam na área da relação cuidadores-idosos, além de pessoas que possuem alguém na família com Alzheimer.

O enfermeiro Diego Pires Cruz, discente do Mestrado em Enfermagem da Uesb e membro da comissão de organização do Simpósio, falou em sua satisfação em participar do evento e ressaltou a importância dos temas abordados. “Como sabemos, o Brasil está se tornando um país de velhos, segundo estatísticas do IBGE. E isso acarreta o aparecimento da doença, então, discutir essa relação é mais do que importante. E a intersubjetividade é você se colocar no lugar do outro ser humano para compreender e tratá-lo melhor, de maneira mais humanizada. E nosso simpósio traz todas essas abordagens. Estou feliz em participar”, afirmou.

A discente do 8º semestre de Enfermagem da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC), Azenilda Pereira dos Santos, acompanhada do tio com 96 anos, participa do Simpósio pela primeira vez. “Para mim é importante porque já estudei a saúde do idoso no aspecto teórico. Aqui vou aprender mais no campo da convivência, com casos práticos no convívio com a doença”, disse.

Cândida Licuri Lisboa é guarda municipal de Jequié, técnica em enfermagem e foi convidada para ser cuidadora voluntária. “Participo pela primeira vez. Estou feliz em aprender mais sobre essa relação e por em prática, pois trabalho como técnica de enfermagem e vou precisar de conhecimentos. Ser volutuária também me agrada”, frisou.

O relato de experiência da cuidadora e membro do Gam, Nilda Souza, comoveu os presentes no evento. “Quero dizer que o grupo Gam trouxe a vida para mim. Eu cuidava de minha mãe e me envolvi tanto que também fiquei doente. Não podemos nos entregar e viver só para o doente de Alzheimer. A doença não tem cura. Foi o grupo que me ensinou a separar o cuidador do doente”. Ela chamou a atenção dos presentes em dizer que as pessoas não devem ter vergonha de dizer que convivem com um portador de Alzheimer na família. “O mais importante é saber lidar com a doença , tentar conviver e inseri-lo na sociedade, apesar de suas limitações como a perda da memória, os distúrbios mentais e a deterioração das atividades cotidianas”, enfatizou a cuidadora.

Nesta sexta, 22, a programação segue com uma exposição fotográfica de cuidadoras e cuidadores de idosos com a doença de Alzheimer, trabalhos de pesquisas, palestras e rodas de terapias comunitárias. As próximas mesas-redondas abordarão os temas “Cuidado Interdisciplinar ao cuidador da pessoa com a doença de Alzheimer”, “Alterações cognitivas e memória” e “Atualizações no diagnóstico e tratamento da doença de Alzheimer”. Ao final da tarde haverá uma premiação dos trabalhos apresentados e a cerimônia de encerramento, com entrega de certificados.



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão