assessoria de
  comunicação

22/9/2017
 A luta antimanicomial foi abordada no Cine Frida
por Caleb Lima


O Centro Acadêmico Ruy Medeiros, gestão “Nada a Temer”, do curso de Direito, realizou nessa quinta-feira, 21, na sala de projeção Jorge Melquisedeque, campus de Vitória da Conquista, a primeira edição do Cine Frida - Formação Interdisciplinar em Direito e Arte.

A atividade teve como principal objetivo desenvolver a interdisciplinaridade do Direito com a Arte e as demais áreas científicas, com uma metodologia de reaproximação dos saberes, desenvolvendo uma visão complexa da realidade, indispensável à formação jurídica. A proposta da realização do cine surgiu a partir de experiências positivas vivenciadas em sala de aula com a exibição de filmes, comentados e debatidos pelos alunos e professores, como explica o representante do Centro Acadêmico, o estudante João Pedro Marcelino. “O diálogo com o filme se torna mais prazeroso, na medida em que você tem diversas temáticas discutidas, com comentários de especialistas de diversas áreas. Então, nós resolvemos tornar essa atividade constante, para além da sala de aula, em que serão trabalhadas diversas temáticas”, afirmou Marcelino.

A programação contou com a exibição do longa nacional "Nise: O Coração da Loucura", filme dirigido por Roberto Berliner que revive a história de luta da psiquiatra brasileira Nise da Silveira, precursora na terapia ocupacional e na luta antimanicomial. Após a sessão, a obra foi comentada pela psicóloga jurídica e professora de graduação e pós-graduação em Psicologia, Priscilla Drummond, que abordou a importância da loucura no espaço social. “Precisamos deixar de lado os preconceitos e estigmas de que o louco não está no meio de nós. Essa loucura é sempre posta a margem. O filme retrata bem que a pessoa não é só a loucura, mas que naquele momento está acometida de um sofrimento mental, e que mesmo assim, deve ser preservada sua dignidade como pessoa e as suas potencialidades enquanto sujeito, mesmo com algumas restrições”, ressalta Drummond.

Para Solange Chaves, estudante do curso de Direito da Uesb, participar de atividades extracurriculares é importante para a vivência na Universidade e para a construção da carreira profissional. “Ao longo da graduação, eu fiz muita questão de não ficar só na sala de aula, mas de ter uma vivência prática, e agora, mesmo no décimo semestre, continuo participando de atividades extras. Eu acho que isso abre novos horizontes, tornando um profissional mais completo”, finaliza Chaves.

 

Fotos: Centro Acadêmico Ruy Medeiros



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão