assessoria de
  comunicação

20/10/2017
 CEI de Cabeceira recebe o 26 Encontro de Leitura do Proler
por Afonso Ribas


Inúmeras atividades culturais, minicursos e outros espaços de incentivo à leitura e à escrita, além de relatos de aprendizagem feitos por alunos, marcaram a 26ª edição do Encontro de Leitura do Proler/Uesb Conquista, que começou na última terça-feira, 17, e foi encerrado na tarde desta quinta, 19, na Escola Municipal Francisco Antônio Vasconcelos, localizada na zona rural de Vitória da Conquista. O evento foi voltado aos estudantes do Círculo Escolar Integrado de Cabeceira (CEI – Cabeceira), composto por sete escolas rurais da rede municipal de ensino. 

A professora Heleusa Câmara, coordenadora geral e idealizadora do Proler, lembrou que esse já é o oitavo Encontro do Programa que é realizado na zona rural. “Por ficar distanciada dos grandes centros, a zona rural passou a ser o ponto-alvo do trabalho do Proler. Uma escola abriga o projeto e, há dois anos, a gente conta com voluntários, e é principalmente por isso que esse Programa está vivo. Como desmanchar um Programa que é do povo, para o povo e que tem voluntários? Essa é uma questão que só nos fortalece”, disse. Câmara, que foi homenageada pelos alunos e professores do CEI – Cabeceira, destacou ainda a importância da ação para integrar alunos e professores da comunidade assistida pelo projeto. “É uma proposta libertária, que tem a intenção de gerar uma troca de conhecimentos, pois não é só professor que ensina, ele também aprende com os alunos”, concluiu.

O Encontro é uma iniciativa do Comitê Proler/Uesb de Vitória da Conquista, que é vinculado à Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (Proex), à Secretaria Municipal da Educação de Vitória da Conquista e ao Departamento de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLLB), da Secretaria da Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura. Entre os objetivos do evento, estava a discussão sobre habilidades na leitura e produção de textos, em diferentes gêneros e linguagens; a democratização do acesso aos programas de leitura; e a promoção do intercâmbio de práticas leitoras realizadas no município. “O 26º Encontro de Leitura aqui na Cabeceira vem reforçar a dinâmica do nosso Círculo Escolar, que já tem o perfil de trabalhar com os alunos sempre focando a leitura e a escrita, por entender a importância desse aprendizado em nosso meio social”, comentou a diretora do CEI – Cabeceira, Marli Brito Jardim. 

A professora de Língua Portuguesa do CEI, Marizene Chagas Filza, que também coordena o Projeto de Leitura e Escrita do Círculo, explicou como surgiu a proposta de realização do evento. “O CEI de Cabeceira tem dois grandes projetos, entre os quais está o de Leitura e Escrita, que está indo para sua quarta edição, com três livros já editados, com poemas, poesias e contos. Como no ano passado a professora Heleusa Câmara foi convidada para estar com a gente na construção do nosso terceiro livro, isso abriu margem para que o Encontro pudesse acontecer. Portanto, para nós foi um prazer e uma honra estar recebendo o Proler nesse evento que vem fortalecer ainda mais aquilo que acreditamos: que é possível mudar o mundo, por meio da leitura e da escrita”, afirmou.

Márcia Rocha, mãe de uma das alunas da Escola Francisco Antônio Vasconcelos, comentou a importância das atividades realizadas nos três dias do evento para as crianças e adolescentes. “Eu acho que a contribuição do Encontro para os alunos é torna-los ainda mais ativos nos outros projetos e atividades que eles já vêm desenvolvendo na escola. Cada um deles aqui tem um sonho e todas essas ações, juntas, colaboram para esses sonhos que futuramente eles irão realizar”, disse.

O estudante Joales Santos, do 9º ano, participou de uma das atividades realizadas no Encontro, a Oficina de Estética, Empoderamento e Identidade Brasileira, que culminou em uma apresentação que foi o ponto alto da tarde de encerramento do evento. Ele contou que gostou bastante da iniciativa, principalmente por resgatar diversos aspectos da sua história. “É um aprendizado que a gente vai levar para a vida toda”, afirmou.



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão