assessoria de
  comunicação

8/11/2017
 Começa a 13ª Vila da Ciência em Jequié
por Carlos Santos


Começou nessa terça-feira, 7, na Praça Ruy Barbosa, em Jequié, a 13ª edição da Vila da Ciência, evento que reúne estudantes e professores de Ciências de escolas públicas e privadas de Jequié e microrregião, para apresentar ao público seus experimentos, protótipos, fotografias e resultados de pesquisas nas áreas da Química, Física, Matemática, Biologia e Tecnologia. Na sexta, 10, as atividades serão encerradas, no campus da Uesb, com a entrega de várias premiações para os melhores trabalhos de pesquisas desenvolvidos pelos estudantes.

A Vila da Ciência, que é um projeto de extensão contínuo, desenvolvido pelo Departamento de Ciências e Tecnologias (DCT), acontece uma vez por ano em praça pública. Assim, tem como proposta a divulgação, junto à sociedade, de projetos inovadores e criativos na área das Ciências (Química, Física, Matemática, Biologia e Tecnologia), desenvolvidos por estudantes da Educação Básica de Jequié e cidades circunvizinhas, bem como discentes de graduação e pós-graduação da própria Uesb e de outras instituições de Ensino Superior e da comunidade em geral.

A coordenadora geral da Vila da Ciência,  professora Alcione Torres Ribeiro, destacou que as expectativas para essa edição do projeto são boas, visto que, além da região de Jequié, o evento recebeu trabalhos de outras cidades da Bahia. “Com isso, a gente está percebendo um grande alcance da Vila da Ciência, é um projeto que está expandido bastante”, ressaltou.

Na abertura do evento, já estão expostos para visitação, segundo Ribeiro, cerca de 70 experimentos, 30 pôsteres, projetos de extensão e resultados de pesquisas, tanto de estudantes da Uesb quanto de várias outras instituições de ensino. Estão expostos também trabalhos do Clube da Ciência Ativa, da Associação Jequieense de Cegos (Ajece) e do Clube de Astronomia do Colégio Luís Eduardo Magalhães de Jequié.

As inovações em termos de experimentos desta edição são: os protótipos de óculos eletrônicos para inclusão de deficientes visuais na sociedade, espelho infinito para festas e baladas, sanitários secos para compostagens em zonas urbanas e rurais, robô de telepresença, os efeitos da maconha no pulmão, projetor 3D, entre outras atrações. Lorena Almeida Ribeiro, professora do Colégio da Polícia Militar (CPM), explicou aos visitantes como os óculos especiais para deficientes visuais ajudam as pessoas. “Ele funciona através de código para um programa de computador feito por nós, que envia sinais para todos os sensores ultrassom. Isso ajuda o deficiente visual a saber onde há obstáculos em seus trajetos”, disse a professora.

Os alunos do Clube de Robótica, também do Colégio da Polícia Militar, trouxeram um protótipo de robô de projeção em área de risco, que será monitorado por um aplicativo feito pelos próprios alunos. O robô, de acordo os estudantes, tem como objetivo entrar em áreas de risco afetadas por ações do homem ou de acidentes naturais. Evely Costa Brito e Maria Julia Santos, do Colégio Bem Me Quer,  apresentaram o banheiro seco com compostagem doméstica e produção de adubo para utilização caseira. “A proposta é utilizar as fezes com o pó de serra, que durante seis meses se tornará adubo de qualidade para reutilização”, explicaram as jovens cientistas.

A professora de Ciências e Biologia do Colégio Bem Me Quer, Fernanda Figueiredo, se mostrou muito satisfeita em participar pela primeira vez da Vila da Ciência. “O que trouxemos foi uma experiência da feira de ciência da escola com nove alunos, que construíram o protótipo de banheiros secos. Parabenizo a todos da Vila da Ciência que nos deu a oportunidade de mostrar nosso projeto e incentivar os alunos a continuarem nessa caminhada de inovação e experimentos”, agradeceu Figueiredo.

A expectativa dos jovens pesquisadores é receber um grande número de visitantes e concorrerem aos prêmios que a Vila da Ciência oferece para esta 13ª edição. “Temos premiação para os melhores experimentos, os melhores pôsteres, melhores fotografias do Ciência em Foco. Além disso, o prêmio professor Wilson Rocha será entregue para a escola que tiver mais trabalhos premiados”, afirmou a coordenadora geral do evento, professora Alcione Torres Ribeiro.   

Para saber mais sobre a 13ª edição da Vila da Ciência, os interessados podem visitar o site do projeto.



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão