assessoria de
  comunicação

22/11/2017
 Curso discute a Expropriação da Saúde na Hipermodernidade
por Thanize Borges


Discutir as problemáticas do mundo atual, entendendo a realidade em que se vive, é condição primordial para levantar propostas que contribuam para a formação de um mundo melhor. Pensando nisso, o Laboratório Transdisciplinar de Estudos em Complexidade (Labtece), com o apoio do Programa de Extensão Cultura, Complexidade e Formação Transdisciplinar e o Departamento de História (DH), iniciou na noite dessa terça-feira, 21, o curso transdisciplinar sobre “Expropriação da Saúde e Subjetividades Amputadas na Hipermodernidade”.

Segundo o coordenador do evento e ministrante da primeira sessão, que trouxe a temática “Sequestros da saúde na hipermodernidade”, o professor Carlos Alberto Pereira Silva, vinculado ao Departamento de História, o curso tem por objetivo apresentar um panorama dos paradoxos, contradições, limites e ambivalências incrustadas no interior da medicina industrial predominante neste tempo caracterizado pela morbidez coletiva.

“Para iniciar esse curso, partimos de uma contestação do tempo em que vivemos, em que é marcado pela aceleração, onde os humanos, principalmente no ocidente, procuram imitar a velocidade das máquinas, em que há uma descartabilidade das coisas e das virtudes, um tempo de busca de prazeres efêmeros, de dependência das tecnologias, tempo marcado pela cultura do excesso, caracterizado como hipermoderno, com muita técnica e avanço científico. Entretanto, esse tempo mostra o seu reverso. O curso busca estabelecer uma reflexão sobre a medicina industrial, que em grande parte aparece como solução para os problemas criados nessa sociedade, mas é parte do problema”, afirmou o professor.

Para o estudante do curso de História e participante do evento, Rodrigo Brito, as temáticas que debatem o mundo contemporâneo e a história do tempo presente são sempre atraentes. “Sobretudo quando temos a possibilidade de ter uma abordagem mais complexa dessa história e desse tempo em que passamos, e falar dessa expropriação da saúde e das subjetividades dos sujeitos, que muitas vezes são dizimadas ou abafadas pelo modo de vida que temos hoje, é muito interessante”, enfatizou o aluno.

O curso acontecerá até a próxima quinta-feira, 23, com os encontros na sala 3 do Centro de Aperfeiçoamento Profissional (CAP). Os interessados podem conferir a programação aqui.

 

 



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão