assessoria de
  comunicação

4/12/2017
 Projeto Vida Ativa celebra os resultados das ações de 2017
por Afonso Ribas


Desde 2005, o Projeto Vida Ativa promove diversas atividades voltadas para pessoas acima de 45 anos, articulando, por meio do Centro de Extensão Comunitária da Uesb (Ceac), a aliança entre o ensino, a pesquisa e a extensão. Palestras, relatos de experiência, oficinas de corpo e voz, viagens e apresentações culturais são algumas das ações realizadas pelo Projeto. Nesse sentido, foi realizado na tarde da última sexta-feira, 1º, no campus de Vitória da Conquista, o evento “Celebrando a Vida Através de Memórias”, que reuniu idosos atendidos pelo Projeto com o intuito de apresentar os resultados de todas as atividades desenvolvidas em 2017.

“Tanto esse evento quanto o Vida Ativa em si buscam incentivar ao máximo o protagonismo da pessoa idosa, valorizar os talentos individuais e, também, resgatar a memória das canções, da poesia e da arte em geral, que é tão presente em nossas vidas. Através de ações como essa, a gente quer mostrar que é possível ter um envelhecimento saudável, com qualidade de vida, independentemente de todas as nossas limitações”, afirmou a coordenadora do Projeto, Virgínia Coronago, que deu início ao evento com a exibição de um curto vídeo com uma mensagem de reflexão para os participantes. A programação geral durante a tarde contou com uma série de atividades culturais, como batuque natalino, dança cigana e apresentações artísticas.

Quem abriu as apresentações foi o senhor Antônio da Silva Oliveira, de 78 anos, que recitou um poema de sua autoria para os demais participantes do evento. Oliveira conheceu o Vida Ativa em 2011 e, há seis anos, é frequentador assíduo das atividades do Projeto. “Em 2011, eu fui para Salvador como delegado da Terceira Idade e lá encontrei Virgínia, que me convidou para participar do Projeto, mas eu não fui. Depois de alguns meses, ela me encontrou em um sarau na Casa do Idoso e me convidou novamente. Daí, eu finalmente fui a uma das atividades, estou aqui até hoje e gosto muito”, comentou.

Para a aposentada Linda Ferraz, de 67 anos, o Vida Ativa se tornou algo insubstituível em sua vida. Ela também foi convidada a participar das atividades do Projeto por Virgínia e, atualmente, coordena o grupo de dança dos idosos. “Nós idosos temos poucas oportunidades de lazer e o Vida Ativa veio nos oferecer a chance de sair de casa, se divertir, conhecer outras pessoas, praticamente, de ser feliz”, afirmou.

 



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão