assessoria de
  comunicação

20/12/2017
 Crianças e adolescentes acolhidas pelo NDCA têm tarde de lazer
por Gisele Almeida


Promover um momento de lazer e fortalecimento para crianças e adolescentes vítimas de diversos tipos de violência e que tiveram seus direitos violados. Foi com esse objetivo que o Núcleo de Defesa da Criança e do Adolescente (NDCA) realizou uma ação natalina nesta terça-feira, 19, na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), em Vitória da Conquista. Durante toda a tarde, as crianças e adolescentes se divertiram no playgroud do espaço, com direito a guloseimas e presentes de Natal.

“A gente achou que neste final de ano seria interessante as crianças receberem o que é próprio de crianças. Um momento de distração, de lazer. A gente acredita também que é uma forma de fortalecimento, de fortalecê-las para o dia a dia”, explica a gerente do NDCA, Luciana Almeida Rocha.

O Núcleo é um programa de extensão ligado ao curso de Direito da Uesb e promove, no município de Vitória da Conquista, um trabalho de acompanhamento jurídico, psicológico e social dessas crianças e adolescentes vítimas de violência. A maioria delas é encaminhada pelo Conselho Tutelar, mas também são realizados atendimentos espontâneos, quando um dos pais ou outro familiar procura o Núcleo porque vivenciou ou está vivenciando alguma situação de violência.

Primeiramente, uma triagem é feita com a família para entender como a criança ou o adolescente chegou àquela situação, e só depois os profissionais realizam o acompanhamento individualizado. Como o Núcleo faz parte de uma rede de proteção ao direito da criança e do adolescente e essa rede se apoia, as famílias das crianças e adolescentes que também necessitam de alguma atenção especial são encaminhadas para atendimento psicológico, orientação jurídica ou outro tipo de amparo social nos órgãos competentes da cidade.

Para a psicóloga do NDCA, Kátia Amaral, a época natalina cria a oportunidade de promover um momento que fortaleça, justamente, essa relação familiar. “No Natal, nós podemos também convidar os familiares para estarmos confraternizando, um momento que muitas vezes não acontece nem em casa. Então, a importância é tanto pra criança quanto para essa família, para se sentir acolhida pelo serviço também”, afirmou.

Como se trata de um evento de encerramento das atividades do ano, a gerente Luciana Rocha fez um balanço da atuação do Núcleo em 2017. Segundo a advogada, o saldo é positivo: “A gente enxerga como positivo porque nós conseguimos ajudar muitas crianças e adolescentes. Temos que valorizar o trabalho que foi desenvolvido, muitas crianças receberam o acompanhamento e conseguiram estar em situação melhor agora no final do ano, por isso precisamos mesmo celebrar e permitir para eles esse momento de descontração”.

De acordo com coordenador do NDCA, professor Carlos Públio, o ano também foi marcado por um acompanhamento maior de crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Ele sugere como essa questão preocupante pode ser enfrentada no próximo ano: “para 2018, é preciso estar refletindo sobre isso porque são crianças de tenra idade, são violências que, de uma forma ou de outra, violam a integridade física e psicológica dessas crianças. Os órgãos precisam estar sentando e traçando estratégias mais contundentes, pois essa é uma violência bastante complicada”.



Assessoria de Comunicação
indique essa matéria para um amigo
Versão para impressão