Quarta-feira, dia 20 de setembro de 2017
imagem do topo logo

Atividade de Extensão: Violência na contemporaneidade

Resumo

O projeto trata-se de realização de sessões temáticas com enfoque voltado paras as questões da violência na contemporaneidade destinado à comunidade acadêmica e geral. Além disso, pretende-se atuar junto ao projeto “A paz na escola e na família”, desenvolvido por professores e gestores pedagógicos da Escola Municipal Rainha da Paz (localizada no bairro Patagônia, zona Oeste de Vitória da Conquista), a fim de despertar na comunidade escolar a capacidade de reconhecer a violência na sua realidade próxima, pessoal e social.

Pressupostos Teóricos

É cada vez mais discutida do ponto de vista sociológico, filosófico e até mesmo psicológico a questão da violência humana. Diversos estudos destacam esse tema que está cada vez mais presente na realidade de todos os povos do mundo.  Nesse sentido, muitas perguntas são colocadas: a violência está na essência humana? Ela seria uma manifestação de uma sociedade em crise ou faz parte de um ciclo natural da vida num movimento pela sobrevivência? Em que medida a contemporaneidade ampliou os espaços de violência? Qual a relação entre a política e a violência? Existe um caminho ético que possibilite uma alternativa para o problema da violência?

Tendo essas e outras indagações em mente, o NUVIP (Núcleo Avançado de Estudos da Contemporaneidade) propõe o curso sobre presente.

Encontramos, normalmente, uma visão sobre a violência muito atrelada às estatísticas de roubos, assassinatos, latrocínios etc. No entanto, poucas vezes, uma reflexão mais aprofundada sobre os aspectos culturais que caracterizam a mentalidade contemporânea, são abordados. E, na contemporaneidade, a questão da violência ganha contornos novos que nos permite pensar sobre a problemática não somente a partir de categorias limitadas ou estatísticas, mas, aprofundarmos na compreensão da relação entre a violência, a política e a contemporaneidade.

Neste curso, portanto, propomos uma reflexão a partir da leitura de autores como Zygmunt Bauman que propõe uma interpretação sobre a importância da modernidade para a compreensão da violência nos tempos atuais, bem como, uma visão sobre questão do medo nas cidades, no que ele chama modernidade líquida.

Outro autora que também tem uma compreensão interessante sobre a questão da violência é a filósofa política alemã, Hannah Arendt. No seu pensamento, há uma importante reflexão sobre as relações entre poder, política, totalitarismo, autoridade e violência, discutindo, especialmente, a partir dos acontecimentos que marcaram o século XX, como as ideologias sanguinárias (fascismos, comunismo e nazismo) e os movimentos contestatórios do final da década de sessenta.

Também o filósofo francês Gilles Lipovetsky reflete sobre a violência como direcionada por dois códigos: a honra e a vingança que no momento da abertura da modernidade foram afastadas, abrindo espaço para outros valores mais tolerantes nas relações. No entanto, para compreender a atualidade, Lipovetsky desenvolve a categoria de violência hard, em que os atos de violência se caracterizam por um “sem sentido”, uma gratuidade, geralmente cometida por pessoas temerosas e voláteis e, assim, explicariam o enorme número de crimes e suicídios numa sociedade narcisista pautada na hiperindividualização que resulta num mundo de indivíduos solipsistas.

Sem perder de vista a importância de não tornar uma reflexão sobre a questão da violência, do poder na contemporaneidade algo abstrato e distante, a discussão proposta pelo NUVIP passa também por uma reflexão sobre a cidade, sociabilidade e cultura urbana. Nesse sentido, pretendemos, a partir de estudos e pesquisas realizados sobre a violência em Vitória da Conquista, a possibilidade do desenvolvimento de uma cultura de paz. Neste ponto, a proposta de uma ética da responsabilidade e da alteridade desenvolvida pelo filósofo Lévinas aparece como um fator importante de abertura para o outro que pode nos guiar para o enfrentamento da barbárie.

Objetivo Geral

Refletir sobre a questão da violência na contemporaneidade a partir da compreensão da questão da burocracia, da individualização, das cidades e do medo. Discutindo, também, a possibilidade de uma vivência ética como alternativa para a defesa da diversidade e dos direitos humanos.

Objetivos Específicos

  • Desenvolver uma reflexão sobre os termos da violência, da política e da contemporaneidade, a partir dos referenciais teóricos propostos por Hannah Arendt, Emmanuel Lévinas, Zygmunt Bauman, Giles Lipovetsky, etc.
  • Realizar oito módulos temáticos para discutir questões relativas aos conceitos de violência, poder e política; aos aspectos da violência urbana contemporânea e à insegurança nas cidades; bem como às questões da alteridade relativas à violência.
  • Maximizar o desenvolvimento de um Grupo de Estudo (já existente) sobre os termos da violência e forças correlatas, a fim de auxiliar na formação teórica de pesquisadores e demais interessados.
  • Desenvolver no espaço escolar da Rainha da Paz ações que possibilitem a conscientização dos alunos para a construção de uma cultura de paz.
  • Promover palestras e encontros envolvendo toda a comunidade escolar por meio de parcerias com outros seguimentos da sociedade civil e religiosa.

Datas das sessões temáticas

05 de Agosto, às 19h00: Introdução à questão da violência, do poder e da contemporaneidade e a discussão sobre o livro Modernidade e Holocausto, de Zygmunt Bauman
06 de Agosto, às 14h00: Os conceitos de violência e poder em Hannah Arendt e Honra, vingança e  violência hard em Lypovetsky
02 de Setembro, às 19h00: Ética e responsabilidade e alteridade em Lévinas
03 de Setembro, às 14h00: Confiança e medo na cidade e a violência em Vitória da Conquista
29 de Setembro, às 19h00: Por uma cultura da vida e da paz (debate)
Obs. Todas as sessões serão realizadas no Auditório do Módulo IV (ao lado do Restaurante Universitário).

Desvendando livros

17 de Março, às 19h00: Modernidade e Holocausto (Bauman)
30 de Junho, às 19h00: Ética e infinito (Lévinas)
07 de Julho, às 19h00: Modernidade líquida (Bauman)
21 de julho, às 19h00: Era do vazio (Lipovetsky)
18 de Agosto, às 19h00: Ateísmo militante (Dawkins, Gray e outros)
25 de Agosto, às 19h00: Em busca de uma ética universal (Congregação da Doutrina da Fé)

Palestras e Minicursos

05 de Abril: Ecologia e desafios éticos, com o Prof. Dr. Frei Antonio Moser
15 de Abril: Minicurso A importância da pesquisa científica, com o Prof. Dr. Gilberto Bomfim e o Prof. Esp. Elton Moreira Quadros
13 de Outubro: Princípios de humanidade, com  o Prof. Dr. João Santos Cardoso